domingo, 4 de outubro de 2009

Comentário

Acredito que a cada nova etapa é evidenciada a importância de estar pesquisando, buscando referencias e conhecimento de técnicas que nos dão bases para a concretizar um trabalho funcional e bem realizado, portanto acredito que estar ciente dessas técnicas que comprovam e ajudam a compreender este processo é dever do educador de artes, pois estas darão garantias e segurança em desenvolver junto ao aluno uma aula rica em conhecimentos e diversidade.
Certamente todo o processo vivenciado nos encontros presenciais, no trabalho em grupo e na confecção da mascara individualmente somaram e continuarão somando no meu processo de aprendizagem, pois cada vez mais acredito que a teoria se completa com a pratica que serve para unificar compreensão e entendimento.

sábado, 3 de outubro de 2009

Mascara pronta!!!

Paleta de cores individual e imagens da mascarada personagem "Gata" pronta e do grupo.















O grupo de mascaras !!!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Mascara pronta!!!

trabalho final - Mascara pronta e processo de confecção


Processo de Criação e excussão da Mascara.

No primeiro momento escolhia a personagem GATA do espetáculo “Saltimbanco” para a realização do projeto da mascara, posteriormente em grupo decidimos realizar um sorteio para a escolha dos personagens para cada integrante do grupo, para assim ser uma escolha em comum consenso, onde coincidentemente fui destinada a realizar a confecção da mascara da Gata que anteriormente já havia escolhido. Nesta reunião traçamos um cronograma de trabalho e decidimos a paleta de cores utilizadas no projeto da confecção das mascaras e o elemento de unidade do grupo. O grupo decidiu em utilizar as seguintes cores: Branco, preto, amarelo, vermelho e verde. Escolhemos com elemento de unidade a utilização da massa corrida.

Após este processo comecei um trabalho de pesquisas sobre as características desse animal que poderiam ser exploradas e realçadas. Estas pesquisas foram desenvolvidas através de sites na Internet, observação dos animais da vizinhança, a leitura do texto referente ao projeto e as referencias coletadas a partir de pesquisas realizadas sobre a caracterização zoomorficas dos personagens da Commedia dell’ Arte. Além das características físicas também procurei pontos relevantes no comportamento do animal que pudessem influenciar na expressão que quis representar na mascara.

Inicialmente realizei vários esboços a fim de alcançar uma melhor identificação entre proposta do trabalho, relação estética, linguagem do espetáculo e características zoomorficas da personagem.

Após este processo de pesquisas e testes com desenhos parti para a confecção pratica da mascara. Seguindo os procedimentos realizados na oficina com a professora Sonia Paiva: modelagem com massinha, impermeabilização do molde de massinha, aplicação da tela de florista, empapelamento e retirada da masca do molde de massinha; através desse procedimento confeccionei a mascara da personagem "GATA".

Agora com a mascara já pronta para a fase de pintura e acabamentos escolhi minha paleta de cores individual a partir das cores anteriormente escolhidas pelo grupo, procurei utilizar as cores matriz e tonalidades referentes a misturas das mesmas, que consistiu em: branco, preto, vermelho, tonalidades em cinza escuro, cinza claro e rosa. Onde utilizei o cinza escuro para a cor predominante da personagem, o cinza claro para realçar os detalhes mais pertinentes, o rosado para o focinho e boca e o branco para clarear, ressaltar detalhes e como característica de cor da pelagem do animal/ personagem.

Para a utilização do elemento de unidade do grupo (massa corrida) apliquei uma demão de massa na parte superior da mascara e para dar o efeito desejado passei um pente fino que fizeram riscos que deram sugestão de pelos assim alcançando a textura desejada e o senso estético escolhido por todos.

Todas as etapas descritas nessa tarefa desde a realização dos desenho/ esboços, confecção da mascara e sua finalização durou cerca de quatro dias. O resultado final ficou interessante e acredito ter alcançado a proposta do que foi sugerida na atividade e pelo grupo.


Processo de confecção da mascara.

Seguindo os procedimentos citados na oficina com a professora Sonia Paiva , confeccionei a mascara da personagem "GATA" Processo de confecção:



Modelagem com Massinha



Antes de aplicar a tela de florista é importante impermeabilizar o molde de massinha com vaselina em pasta.






Empapelamento



Mascara fora do molde de massinha , pronta para a fase de acabamentos.


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Várias formas de máscaras

Em toda a historia cultural do teatro encontramos como recurso presente as mascaras que certamente são importantes elementos de comunicação que representam entidades e tipos capazes de “transmitir a essência da vida de seu povo”. Existem vários tipos de mascaras de definições características especificas que assumem suas funções dentro do contexto de utilização, que propõem um estado de representação.O trabalho de confecção de uma mascara teatral não consiste apenas em conhecer a técnica mais sim em saber o contexto no qual esta está inserida, a época, suas relações com o espaço que será utilizada, estilo de linguagem da encenação, em fim uma serie de fatores que compõem particularidades que as tornam fundamentais com objeto dramático.

Dentro desse contexto o grupo Moitará desenvolve um séria pesquisa sobre os tipos de mascaras, suas formas de confecção, e a importância de sua utilização como objeto dramático e socialmente representativo.


Seguindo as definições do grupo Moitará sobre os tipos de mascaras temos:


Mascaras Larvárias


Correspondem as mascaras de rostos inacabados com formas simplificadas da figura humana, como o próprio nome diz um estagio embrionário, que remetem ao primeiro estágio do inseto. Nesta fase as máscaras começam a ter caráter, a esboçar personalidade. De jogo largo que normalmente é orientado pelo nariz, essas “fazem parte do grupo de mascaras inteiras e silenciosas que não permitem a voz, mas exprimem a essência da palavra falada através das ações”. (Moitará)



“As Larvárias foram introduzidas no universo teatral na década de 60 pelo francês Jacques Lecoq. Estas mascara

s nos remetem a um espaço poético e delicado”.

“As máscaras são fixas e geralmente maiores que o rosto do ator, com pequenos orifícios no lugar dos olhos. O campo visual fica reduzido e é preciso aguçar os outros sentidos para atuar”. (Fonte: Revista Veja).

Máscaras Expressivas

São mascaras de feições mais elaboradas representam tipos que pedem um gestual próprio com definições de caráter, que traduzem estados de ânimo e inspiram situações determinadas. Estas também pertencem à categoria das Máscaras silenciosas, onde a palavra esta oculta nas ações físicas do personagem.

Esta é uma mascara de “jogo mi

nucioso e objetivo e pode ser enrique

cido com a presença da contra- máscara, direção inversa ao caráter principal da Máscara”.(M

oitará)


Máscara Neutra

"A Mascar neutra é uma mascara sem expressão, de fisionomia simples e simétrica sem conflitos, que propõe ao ator ampliar todos os seus sentidos”. A mascara neutra é o oposto da individualidade, pois ela se relaciona com todo o universo presente. Em si nada representa. Através dela o ator começa a

se perceber e aprender a desvencilhar -se de sua própria personalidade. Esta é uma mascara que não é “um personagem, é um estado que se apóia na calma e na perc

epção, fontes d

e vida para to

das as outras Máscaras” (Site: Moitará). Em uma mascara neutra percebe -se o ponto zero, onde o ator é um ser antes d

e qualquer definição.

“Trabalhar com mascara neutra leva o ator a perceber as nuanças entre o seu estado- matéria ou estado - objeto (estar), o seu estado orgânico (ser) e seu estado -racional(analisar, deduzir)” (1)



Meia – Máscara


A meia masca

ra ou mascara falante que cobrem apenas a parte superior do rosto. Estas já dispõem de caráter e está inserido em um cont

exto social, ou seja, “geralmente representam "tipos-fixos", podendo cond

ensar nelas vários personagens”.O jogo dramático desta mascara propõe ao ator encontrar uma voz , um gestual, um corpo qu

e se encaixe ao propósito do personagem e da situação “levando o texto para além do cotidiano”. (moitará)




Máscara Abstrata


“São máscaras inteiras d

e

formas geométricas, sem menção animal ou humana, que propõe ao ator um jogo acrobático e abstrato criado a partir das linhas de força da máscara, relacionando-se com o espaç

o”. (Moitará)

“As mascaras abstratas levam o personagem para algo além das qualidades sociais, enfatizam o movimento e suas formas são metafísicas”. (2)




Tipos Populares

São mascaras que representam "tipos" populares. Onde suas características busca assumir fisicalidade e a vocalidade, típica assim como seu contexto cultural.

Neste contexto “o grupo Moitará vem, dedicando-se a uma investigação inédita: elaborando a confecção de Máscaras de "tipos" brasileiros e codificando seu jogo a partir de suas características, fazendo alguns paralelos com os tipos-fixos da Commedia Dell'Arte.” (Moitará)



Referencias Bibliográficas
Livro
AMARAL, Ana Maria ___ Ator e Seus Duplos: Máscaras, Bonecos, Objetos, O
editora: Senac
Site :
http://grupo.moitara.sites.uol.com.br/PesquisaFrame.htm.
Fonte das Imagens:
Mascaras Larvárias:
Disponíveis em:
http://grupo.moitara.sites.uol.com.br/PesquisaFrame.htm
http://www.tepa.com.br/muraldotepa/larvarias/larvarias.htm
Mascaras Expressivas
Disponíveis em:
http://grupo.moitara.sites.uol.com.br/PesquisaFrame.htm
Mascaras Neutras
Disponíveis em:
http://www.grupomoitara.com.br/h100_por.php?fid=23&anome=Máscaras&fseq=1&atnome=0&padrao=old&download=
Máscara Abstrata
Disponíveis em:
http://grupo.moitara.sites.uol.com.br/PesquisaFrame.htm
http://3.bp.blogspot.com/_03yel7aABaM/SSicdtoOoeI/AAAAAAAAAEE/lSIWfByvAxE/s200/ABSTRATA.JPG
Tipos Populares
http://grupo.moitara.sites.uol.com.br/PesquisaFrame.htm



quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Pesquisa de animais - Desenhando uma mascara zoomórfica

Breve memorial descritivo dos processo da realização desta atividade.


No primeiro momento escolhi o personagem que vou fazer a mascara da peça Saltimbancos: Gata, em seguida comecei um trabalho de pesquisas sobre as características desse animal que possam ser realçadas. Estas pesquisas foram desenvolvidas através de sites na Internet e com animais da vizinhança. Além das características físicas também procurei pontos relevantes no comportamento do animal que pudessem influenciar na expressão que quis representar na mascara.


Algumas imagens da pesquisa para chegar ao projeto da mascara


Imagem 1 Imagem 2


Projeto da Mascara

Desenho da Mascara (frente e perfil)




Desenho sobre foto. (frente e perfil)


Imagem impressa e com a mascara


Perfil


Desenho da mascara no rosto




Referencia

Imagens gatos Disponíveis em:

http://shinestar.nireblog.com/cat/racas-de-gatos-parte-2


Imagens da Oficina com Sonia Paiva - Barretos













ótimo - A rã do nosso livro... rs!

Descrição da Oficina- Modelagem e o empapelamento das máscaras

Ministrada pela professora autora da disciplina de Suporte Cênico: Sonia Paiva.
Data: 19 e 20 de Setembro de 2009.

Materiais necessários

1. Cera líquida transparente (de chão) para a impermeabilizarão do positivo de gesso.
2. Massa de modelar, 500grs por pessoa, preferencialmente da marca acrilex (atenção, as massas muito moles não servem para este trabalho).
3. Ferramentas para modelagem, facas, estecas, palitos, clipes e etc.
4. Vaselina sólida para impermeabilizar a massa de modelar.
5. Tela de florista, esta tela é engomada. Sua característica é de amolecer quando umedecida, voltando a endurecer quando seca.
6. Pinos de mapa e tesoura (os de cabeça redonda são os certos, as tachinhas de cabeça chata não servem para este trabalho)
7. Papel higiênico de boa qualidade para o empapelamento
8. Cola branca
9. Potes de água
10. Estiletes
11. Massa corrida (um galão de 3,6ml)
12. Lixa d’água,150, 350 (2 por pessoa)
13. Tintas acrílicas (branca, preta, magenta, ciano e amarelo)
14. Pinceis
15. Caixa de ovos( ou recipientes de plástico) para paleta de tintas
16. Meia de seda e/ou elástico para prender as máscaras

O objetivo desta oficina foi estarmos em contato com a pratica de confecção de mascaras da commedia dell’ arte, lemos e analisamos o texto: Tabarin, guarda de honra. Onde nos foi proposto realizarmos o projeto das mascaras zoomórficas tendo as referencias e os personagens do texto como bases para a criação.
Dentro deste processo estudamos metodologias do processo de modelagem, papelamento e acabamento de mascaras. Os aspectos conceituais e histórico da mascara na commedia dell’arte, sua importância e características dos tipos fixos que elas representam.

Desenvolvimento da Oficina

Iniciamos a oficina pela manhã com a professora Sonia, no pólo de apoio nos alojamos em uma sala com varias carteiras que transformamos em uma grande mesa.

Antes de iniciarmos a confecção a professora Sonia nos esclareceu algumas questões referentes ao material encontrado para compra e o que foi solicitado.

Todos munidos de suas mascaras mortuárias damos inicio ao processo.

No primeiro momento é preciso verificar se o molde positivo esta bem nivelado , este deve ficar a 90 ª graus da mesa. O ajuste do nível da mascara pode ser feito com a massa de modelar.




Vamos agora fazer o “molde” da mascara com massinha de modelar aplicando –a sobre a mascara mortuária, como o caráter da confecção esta vinculado a uma mascara zoomórficas a grande maioria dos participantes optaram por confeccionar um animal. Como alguns não tinham lindo o texto sugerido a professora Sonia abriu um exceção e para que estes fossem confeccionados sem estar vinculados ao texto. Passando a ser um trabalho livre.

Nesta etapa transformamos um desenho bidimensional e uma modelagem tridimensional, adaptando o desenho previamente estudado no molde positivo.

Obs: É importante tomar cuidado, pois quanto mais saliências tiver a modelagem mais complicada fica a mascara.




Após a modelagem com a massinha, deve –se impermeabilizar com vaselina em pasta todo o molde positivo, utilizar com se estivesse untando dota a área de trabalho.

Partimos agora para a aplicação da tela engoma

da (de florista), esta é utilizada para dar maior sustentação e suporte ao trabalho. Ela é aplicada antes de iniciar o processo de em

papelamento.



Para a fixação da tela umedecemos a tela com água utilizando um pincel, ela ficou maleável vindo a aderir na modelagem esta foi presa com pinos em locais de saliências e reentrâncias. A tela pode ser cortada e ajustada de ac

ordo com a modelagem.


Obs: o empapelamento também pode ser feito direto no molde bem impermeabilizado, porém a mascara terá menor durabilidade.






Após a tela secar retiramos os pinos para dar inicio ao processo de empapelamento.

Processo de empapelamento:.

Para a realização desta etapa, primeiramente preparamos a cola coloquei em um pode adequado e fui adicionando água até ficar na consistência de leite. Em seguida rasguei vários pedaços o papel higiênico.

Passei uma demão da cola com água (na consistência de leite) sobre o molde e comecei a aplicar o papel higiênico, fixando com cola e com a ajuda de um pincel macio , até que toda a superfície ficou preenchida.

São necessárias a aplicação de três a quatro camadas no mínimo – estas devem ser no intervalo de no mínimo duas horas para que seque e possa ser então aplicada a próxima camada.

O numero exato de camadas aplicadas vai depender do material que será utilizado para o acabamento . “Quanto mais pesado o material aplicado , mais grossa deve ser a camada de empapelamento, para sust

enta –lo.” (livro plataforma UAB/UNB).

Obs: Se a mascara tiver um grande nariz é preciso que este seja sustentado com um arame de florista entre as camadas.

É necessário que cada camada seque completamente, pois a mascara pode ficar úmida e mole.




Este é um processo que deve levar pelo menos 24 horas. Realizamos esta oficina em um curto período de tempo, de um dia para o outro. Utilizamos para ajudar na secagem um secador de cabelo.

Combinamos com a professora Sonia de finalizar na mesma semana então algumas mascaras não secaram completamente , então trabalhamos com as que já tinham secado o que possibilitou realizar todas as etapas do processo de confecção com muito êxito. A professora Sonia compartilhou conosco muita informações e técnicas que enriqueceram muito a oficina. Como por exemplo, a realização de uma mascara de látex.

Após todas as camadas aplicadas e secas, retiramos a mascara do molde, com cuidado para que este não desmonte, pois servirá de suporte para as etapas de acabamento.

Retiramos do interior da mascara algum resquício de massinha presa, esta foi uma parte interessante, pois a mascara fica maleável e não perde seu formato.


Após este processo com a ajuda de um lápis, marcamos o lugar dos olhos, do nariz e da boca, fizemos os cortes necessários: boca, nar

iz e olhos, também igua

lamos a mascara para que fique igual em todos os ângulos reverentes.



O próximo passo foi o inicio da pintura. Utilizamos tinta acrílica, professora Sonia explicou a todos como deve ser o processo de pintura, (em um breve inicia –se pelos tons mais claros que dão luminosidade e escurece as partes de profundidade). Ela também explicou, os preceitos das cores primárias, secundárias, cores de contrates , técnicas orientais de pintura entre uma série de conhecimento que nos foi compartilhado.


Processo de pintura:







Mascara finalizada na oficina


Este foi um processo que precisa de dedicação, muito rico e que sem duvidas acrescentou muito no meu processo de aprendizagem. É fantástico pensar que uma mascara ganha vida no rosto de um ator, até mesmo no processo de confecção as vezes que estas tem vida própria e torna mágica esse experiência.